Dia de colocar a mão na consciência

Dia de colocar a mão na consciência

Dia 20 de novembro é, para muitos, uma data reflexiva. Há mais de 323 anos, umas das maiores personalidades da cultura afro-brasileira lutava pelos direitos de um povo dominado e massacrado pela colônia portuguesa. Zumbi dos Palmares buscava por menos dominação e mais liberdade para o seu povo que sofria constantes ameaças. E hoje, pode – se dizer, que a sua contribuição histórica, foi além das fronteiras do seu quilombo.

Mesmo assim, somente após dois séculos de sua morte, a Lei Áurea que significava a abolição da escravatura no Brasil, 1888, foi sancionada pela princesa Isabel. Isso, para muitos, representava melhores condições de vida, libertação, a grande conquista havia, finalmente, chegado!. Mas, na prática, não foi bem assim. Os escravos “libertos” continuaram nas casas de seus senhores, porque, infelizmente, a independência não garantia capacitação profissional para conseguirem empregos melhores e dignidade. A luta por mais oportunidades estava apenas começando e, pode-se considerar, que ela dura até hoje.

Mesmo depois de tantas conquistas ao longo da história do Brasil, além de tantas contribuições para a construção da nossa cultura, a busca por igualdade social ainda persiste nos mais diferentes lugares. Longe das grandes cidades, as comunidades quilombolas também prosseguem lutando por mais dignidade e pelo direito de escolher o que querem ser, e fazer. As crianças, além de brincarem no rio, brincam de escolinha, de “médico”, de moda, brincam de sonhar, como qualquer outra criança. E, apesar de desejarem usufruir de tudo aquilo que o seu ambiente já oferece, elas querem mais. Mais igualdade, mais direitos na prática e mais oportunidades de serem seja lá o que quiserem ser.

Dia 20 de novembro é dia também de colocar a mão na consciência, lembrar de quem tentou e de quem ainda está tentando ter uma sociedade melhor. Dia de compartilhar as grandes histórias e incentivar, como puder, para que aconteçam mais. Porque, no final das contas, o que todo mundo almeja é ser tratado como igual, com respeito e valorização à sua singularidade como indivíduo.

 

Aviso: O conteúdo do texto é de responsabilidade de seu autor e não exprime, necessariamente, o ponto de vista da Ecam.

Compartilhe

Fernanda Costa
Todos os posts

Fernanda é estudante de Publicidade e Propaganda no IESB. É Redatora na Ecam e, atualmenteutiliza a criatividade para  promover e fortalecer novas (e boas) ideias

Apoiando comunidades tradicionais na gestão de seus territórios
Equipe Ecam

Apoiando comunidades tradicionais na...

Mais de 650 mil famílias se declaram povos tradicionais no Brasil, de acordo com um levantamento...

Continuar lendo

Compartilhe

A importância do Compartilhar!
Meline Machado

A importância do Compartilhar!

Aqui na Ecam nós temos o Programa Compartilhando Mundos, que tem por objetivo principal...

Continuar lendo

Compartilhe

Vida de estagiário: só quem viveu sabe
Fernanda Costa

Vida de estagiário: só quem viveu sabe

Se tem uma coisa que eu sei é que vida de estagiário não é nada fácil. Conciliar estudos com...

Continuar lendo

Compartilhe

Você conhece a Ecam Projetos Sociais?
Equipe Ecam

Você conhece a Ecam Projetos Sociais?

Desde 2002, a Ecam trabalha com projetos de valorização dos povos da floresta e conservação...

Continuar lendo

Compartilhe