19/01/2021

Por Ecam

Comunidades quilombolas da Amazônia recebem dados socioeconômicos, por meio de webinar

Comunidades quilombolas da Amazônia recebem dados socioeconômicos, por meio de webinar

Amapá será o próximo estado a receber os dados da pesquisa, que poderá embasar reivindicação de direitos e políticas públicas para as comunidades quilombolas.

A Ecam Projetos Sociais e a Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas (Conaq) vão se reunir com lideranças quilombolas e representantes de órgão públicos do Estado do Amapá, no dia 22 de janeiro, às 15h, com o intuito de debater  sobre a qualidade de vida nos territórios quilombolas amapaenses. Por causa da pandemia, a devolutiva acontecerá virtualmente, em formato de webinar, transmitido ao vivo pelo Facebook e Youtube da CONAQ.

A ação faz parte de uma sequência de webinars que as organizações vêm realizando,  desde o ano passado, com o objetivo de entregar os dados da pesquisa socioeconômica, realizada por 107 comunidades quilombolas de 6 estados da Amazônia Legal (Amapá, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Rondônia e Tocantins).  Os dados levantados encontram-se disponíveis na publicação Quilombos e Quilombolas na Amazônia: os desafios para o (re)conhecimento que pode ser acessada aqui, mas é possível visualizar as informações por Estado, aqui. 

Essa é uma ação do “Programa Novas Tecnologias” e do “Programa Compartilhando Mundos”, fruto da parceria entre a Ecam Projetos Sociais, da Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas (CONAQ), do Google Earth Solidário e da Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID). Dentro do Programa Novas Tecnologias, o estudo contou com capacitações nas ferramentas de Google Earth e Open Data Kit (ODK), para treinar jovens quilombolas nas ferramentas de levantamentos e de mapeamentos, já no âmbito do Programa Compartilhando Mundos, a juventude pôde aprender a analisar os dados levantados. 

Até agora, já foram realizadas as entregas dos dados socioeconômicos no Tocantins, Pará, Mato Grosso, com a do Amapá, prevista para esta sexta, 22. As próximas acontecerão em Rondônia e Maranhão.

Apagão

Em novembro do ano passado, a maior parte das cidades do Amapá enfrentou problemas no fornecimento de energia, que afetou o abastecimento de água, a compra e armazenamento de alimentos, serviços de telefonia e internet, entre outros. Quase 90% da população (cerca de 765 mil pessoas) foi afetada. Após 2 blecautes totais e 22 dias de fornecimento em rodízio, energia foi restabelecida no estado.

Segundo a coordenadora da pesquisa o apagão será mencionado no Webinar –  já que foi um momento muito difícil para as comunidades quilombolas do estado que estão até hoje sofrendo as consequências. Um exemplo, são as bombas d’água das comunidades que queimaram durante o apagão e ainda não foram totalmente repostas nos quilombos. 

A pesquisa também vem para contribuir neste debate, pois temos nela dados sobre acesso à infraestrutura e saneamento básico que dialogam muito com os desafios enfrentados pelas comunidades quilombolas durante o apagão. Na pesquisa, por exemplo, 94% das casas informaram que são abastecidas de energia elétrica pela rede pública. No entanto, esse abastecimento sofre muita descontinuidade, causando grande prejuízo aos moradores por conta da queima de eletrodomésticos e perda de alimentos por falta de refrigeração adequada. Essa é uma situação que foi ainda mais agravada com o apagão”, apontou a coordenadora da pesquisa, Meline Machado .

Apoio às comunidades

A ECAM também está realizando no Amapá junto a parceiros como a CONAQ/AP, um diagnóstico sobre a agricultura familiar quilombola, intitulado Projeto Quilombo Solidário: Renda e Produção. A iniciativa tem como ações a doação de cestas básicas para as comunidades durante a pandemia da COVID-19 e também o levantamento dos dados sobre a agricultura familiar quilombola. 

“Estamos agora na etapa de sistematização deste diagnóstico e pretendemos implementar algumas ações voltadas ao fortalecimento da agricultura familiar quilombola no Estado”, explicou a coordenadora. A agricultura, como evidenciado na pesquisa do Programa Compartilhando Mundos, é a principal fonte de renda das comunidades quilombolas, no Amapá corresponde a 59% da origem da renda das famílias envolvidas na pesquisa. Esse foi um importante desdobramento que teve como início o Programa Compartilhando Mundos.

Webinar – Ecam e Conaq apresentam devolutiva de pesquisa sobre quilombolas do Amapá

Data: 22/01/2021

Horário: 15h

Participação: Gratuita, não é necessária inscrição prévia

Transmissão ao vivo pelos canais:

Facebook: http://fb.me/conaquilombos

YouTube: http://bit.ly/youtube-conaquilombos

 

Ecam realiza evento de encerramento de mais uma etapa dos programas Novas Tecnologias e Compartilhando Mundos

Ecam realiza evento de encerramento de mais uma etapa dos...

Programas apoiaram mais de 200 comunidades tradicionais da Amazônia Legal em levantamentos e análises de dados socioeconômicos No próximo dia 2,...

Educomunicação: Projeto que alia inclusão digital e ferramentas de comunicação para comunidades entra em nova fase

Educomunicação: Projeto que alia inclusão digital e...

Projeto entra em fase de expansão com a retomada das atividades, com todas as medidas de segurança contra a covid-19, nas comunidade e abertura para...

Estamos contratando empresa para realização de oficinas de empreendedorismo digital

Estamos contratando empresa para realização de oficinas de...

A Ecam abre processo seletivo para contratação de prestação de serviço de desenvolvimento e facilitação de oficina presenciais para comunidades...

Ecam conclui processo de transição como implementadora do Programa Territórios Sustentáveis (PTS)

Ecam conclui processo de transição como implementadora do...

Após seis anos de atuação, a Ecam conclui ciclo de suas atividades no Programa Territórios Sustentáveis e finaliza processo de transição no...