05/09/2018

Por Ecam

No Dia da Amazônia, conheça o trabalho da Ecam

No Dia da Amazônia, conheça o trabalho da Ecam

Entidade inova ao pensar a Amazônia além das matas e há 15 anos trabalha dando voz aos povos tradicionais da floresta

Para a Equipe de Conservação da Amazônia (Ecam), a região amazônica é gente. A mata precisa de gente. Os rios precisam de gente. Os frutos precisam de gente. O clima precisa de gente. Porque as pessoas, as pessoas que realmente conhecem e sabem conviver com a Amazônia fazem parte desse ecossistema e zelam por ele.

Por isso, para a Ecam, a Amazônia é e tem muito mais a mostrar do que só árvore ou bicho. Amazônia é cidade, é tecnologia, é desenvolvimento, é comunicação, é colaboração, é dialogo, é comunidade, é festividade. Amazônia é lar para tantas pessoas, uma diferente da outra, cada uma inserida dentro de uma cultura mas mesmo assim todo vivem no mesmo lugar que é o coração dessa floresta imensa.

Há 15 anos, a Oscip tem trabalhado com os povos tradicionais da floresta para levar instrumentos e mecanismos para que eles mesmos tenham voz e força para entender e atender suas próprias necessidades. Falando de uma forma prática, as comunidades quilombolas de Oriximiná, por exemplo têm realizado oficinas e cursos de estatísticas e dados para que possam construir seus próprios planos de vida, entendendo o que eles precisam melhorar dentro de suas óticas, pensamentos e crenças.

Para o diretor da Ecam, Vasco Van Roosmalen, a visão de 55 milhões de km não pode ser tão limitada. “Quando falamos em Amazônia, a imagem mental que as pessoas costumam fazer é de árvores, rios, os animais daquele ecossistema. Alguns chegam a pensar em índios, de uma forma muitas vezes estereotipada. Mas, do mesmo jeito que a Amazônia é rica em biodiversidade, também possui uma grande riqueza social. Temos diferentes povos, vivendo de diferentes formas, cada qual com sua história, cultura, suas raízes. E, a grande maioria dos brasileiros, desconhece essa realidade”, destaca.

Os projetos da Ecam tem alcançado bons resultados, como por exemplo a construção de um canal no YouTube da Associação das Comunidades Remanescentes de Quilombos do Município de Oriximiná (ARQMO), todo feito pelos quilombolas da região (https://www.youtube.com/channel/UCU9PoJT6p0bDrjAlZZ41sIg). Desde a filmagem, edição, roteiro, textos, postagens, tudo é feito pelos membros da comunidade, que contam um pouco da sua realidade.

A proposta da entidade passa longe de ser uma “salvadora” da Amazônia. Os objetivos estão sempre pautados no empoderamento e na implementação de projetos sólidos e eficazes para que as próprias comunidades consigam dar o devido direcionamento. “Quando levamos as oficinas de dados e estatísticas, por exemplo, nosso intuito é que eles conseguisse, por si próprios, estabelecer o que querem para o presente e futuro, preservando seu próprio passado. Eles conseguem enxergar se existem problemas de saneamento básico, de saúde, de educação, e levar projetos embasados para demandar ações do poder público ou mesmo selar parcerias com a iniciativa privada para resolvê-los”.

O grande problema visto a respeito dos povos das tradicionais da Amazônia é eles serem vistos quase que como “fauna” da região. Nesse momento,Vasco lembra que é preciso empatia e não achar que o indivíduo que vive na floresta não precisa de infraestrutura. Imagine se na sua rua não tivesse coleta de lixo. Ou que não tivesse atendimento médico adequado. É claro que eles têm modos de vida diferenciados, mas ainda sim precisam de condições mínimas de subsistência. “E eles só serão atendidos quando forem vistos e lembrados”, conclui.

Para saber mais

O Dia da Amazônia foi criado com o intuito de conscientizar as pessoas sobre a importância da maior floresta tropical do mundo e da sua biodiversidade para o planeta. A data 5 de setembro foi escolhida porque neste dia, em 1850, o príncipe Dom Pedro II decretou a criação da Província do Amazonas (atual Estado do Amazonas). A floresta abriga 5,5 milhões de quilômetros apenas de floresta, que passam por oito estados brasileiros (Acre, Amapá, Pará, Amazonas, Roraima, Rondônia, Tocantins e parte do Maranhão e Mato Grosso), além de ter porção em 5 outros país (Suriname, Bolívia, Guiana, Guiana Francesa, Venezuela, Colômbia, Peru e Equador).

 

Programa Territórios Sustentáveis lança Anuário que apresenta resultados de ações desenvolvidas na Calha Norte

Programa Territórios Sustentáveis lança Anuário que...

O Programa Territórios Sustentáveis lançou no dia 04 de setembro seu primeiro Anuário, a publicação denominada Anuário 2017 traz registro de...

Jovens quilombolas de Rondônia são os mais novos capacitados para utilizarem as ferramentas da Google para conhecer seus territórios

Jovens quilombolas de Rondônia são os mais novos...

Entre os dias 31 de agosto a 02 de setembro, jovens quilombolas do estado de Rondônia estiveram reunidos na Comunidade Quilombola Santo Antônio do...

[BLOG] Vozes da Amazônia, por Muryel Arantes

[BLOG] Vozes da Amazônia, por Muryel Arantes

O Brasil é um país construído sobre a fragmentação de Povos, um território cuja soberania nacional repousa em pedaços de África trazidos para...

No Dia da Amazônia, conheça o trabalho da Ecam

No Dia da Amazônia, conheça o trabalho da Ecam

Entidade inova ao pensar a Amazônia além das matas e há 15 anos trabalha dando voz aos povos tradicionais da floresta Para a Equipe de...