15/12/2015

Por Ecam

Google Earth e os povos da floresta compartilhando novas tecnologias

Google Earth e os povos da floresta compartilhando novas tecnologias

Os pontos de partida foram muitos. Há quem veio do interior do Pará, do Mato Grosso, do Amazonas e de Rondônia. Outros de São Paulo, Brasília, Boa Vista ou Macapá. Também de lugares mais distantes, como a Califórnia, nos Estados Unidos. Mas o destino era comum: estar em Porto Velho para a realização da I Oficina de Novas Tecnologias e Povos Tradicionais.

De 07 a 11 de dezembro indígenas, quilombolas, extrativistas, técnicos e representantes de diversas instituições participaram do encontro, que discutiu o uso aplicado de novas tecnologias em atividades de  monitoramento e mapeamento de áreas protegidas, contribuindo para a defesa do território dos povos da floresta. Este projeto  é resultado de uma parceria entre a Associação do Povo Paiter Suruí Metareilá e a Google Earth Solidário. Também são parceiros a Associação de Defesa Etnoambiental (Kanindé), o Instituto de Conservação e Desenvolvimento Sustentável do Amazonas (Idesam) e a Equipe de Conservação da Amazônia (Ecam). Apoiam a iniciativa Natura, Fundação Cultural Palmares e Porto Velho + Sustentável.

A oficina contou com dois grupos de trabalho. O primeiro, abordou o uso da ferramenta (ODK) em ações de monitoramento. O ODK tem código aberto e permite criar formulários, que serão usados  a partir de celulares para coletar dados. Além disso, também sistematiza as informações coletadas. Durante as atividades, foram apresentadas as etapas para a construção dos formulário. Ao final, cada grupo de trabalho saiu com seu formulário pronto para ser usado em campo.

O segundo grupo trabalhou a produção de mapas culturais usando a plataforma do Google Earth como base.  Um mapa cultural é construído em conjunto e indica locais de interações, conhecimentos ecológicos e históricos de cada povo em seu território. Na oficina, foi discutido como inserir esses pontos de referência na plataforma do Google Earth. Interativamente e com os devidos equipamentos, já em campo as informações coletadas podem ser inseridas na plataforma, gerando um mapa cultural de imediato.

Após esta primeira oficina, os participantes terão de 3 meses para realizarem as atividades de campo, coletando os dados necessários para o monitoramento e para os mapas culturais. Em maio, uma nova oficina reunirá o grupo. Oportunidade para discutir os resultados e desafios enfrentados. Durante a pequena cerimônia que encerrou a oficina,  Rebecca Moore, presidente da Google Earth Solidário, agradeceu a todos os envolvidos no projeto. “Muito obrigada por abraçarem esse time e compartilharem suas histórias com eles. Boa sorte para os próximos passos, levando todo esse conhecimento para as comunidades de vocês. Contem com a gente”, enfatizou Rebecca.

E os participantes, o que acharam?

oficina google - Vanessa Eyng - 1

Fábio Veilatti, associado do Projeto Reca, em Rondônia – “Nós desenvolvemos um trabalho com sistemas agroflorestais. É uma experiência exitosa,  que tem crescido e tem contribuído muito para a vida das família que ali vivem, famílias essas que são oriundas de todas as partes do Brasil. A gente veio aqui para a I Oficina de Novas Tecnologias e Povos Tradicionais porque a gente viu nessa oportunidade muito do que a gente espera ter  hoje lá na nossa associação, informações que possam nos ajudar a pensar o presente e o futuro . Estamos em um momento importante de transformação, de mudança e de crescimento e nós precisamos muito de uma ferramenta como essas que nós estamos vendo aqui nesse curso. Ferramentas que possam unir as informações e que essas informações possam dizer alguma coisa para os nossos gestores, organizando melhor o dia a dia e o futuro da nossa associação”.

oficina google - Vanessa Eyng - 4

Claudinete Cole, coordenadora da Associação das Comunidades Remanescentes de Quilombo do Município de Oriximiná, Pará (ARQMO) e moradora da comunidade Boa Vista, no rio Trombetas, Pará – “Estou aqui hoje pelo convite que recebemos através da Ecam. Essa é uma formação para a gente aprender e levar esse aprendizado para as nossas comunidades, e debater com eles como é melhor de ser aplicado, como fazer, e futuramente até ensinar. Envolve também uma questão de gestão dos nossos territórios. Uma ferramenta dessas do Google, lá dentro de um quilombo, lá em uma área remota, onde a gente vai poder mapear  nossa comunidade, as famílias, o território, a gestão, isso é importante para nós. Até então a gente não tem nada disso. Agora a gente já vai sair daqui sabendo como fazer, e não esperar que outros façam.  A gente mesmo se capacitou para fazer isso”.

oficina google - Vanessa Eyng - 7

Tariaiup Kayabi, da Aldeia Samauma, em Querência, Mato Grosso – “A gente veio para cá, para participar da oficina, pra gente aprender uma ferramenta  que pode nos ajudar a fazer, construir ou então fazer tipo de livro com as nossas histórias mesmo. Essas histórias estão dentro de nossos historiadores e a gente pretende usar essas ferramentas para trazer para dentro de um programa que pode guarda também para nós e futuramente a gente mostrar para nosso filhos e nosso netos.  Estou aqui indicado por um grupo que está fazendo um curso de mapeamento lá no Xingu também, com a responsabilidade de aprender e passar para eles assim que eu voltar para a aldeia. Meu desafio é aprender bem mesmo”.

CAPACITAÇÃO EM COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO FORTALECE TERRITÓRIOS QUILOMBOLAS

CAPACITAÇÃO EM COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO FORTALECE...

A troca de experiências entre os participantes fortalece o protagonismo das comunidades e consolida a comunicação como um instrumento de luta....

Agricultores de Paulo Frontin conhecem iniciativa que unifica agricultura com produção de carbono

Agricultores de Paulo Frontin conhecem iniciativa que...

Uma roda de conversa direcionada a apresentação dos resultados de viabilidade econômica sobre o pagamento por serviços ambientais para os Sistemas...

Comunidades Quilombolas do Amapá se unem para discutir Projeto de Carbono Social

Comunidades Quilombolas do Amapá se unem para discutir...

No último dia 25 de maio, as comunidades quilombolas de Curiaú, Casa Grande, Pescada e Fugido, no Amapá, se reuniram para discutir a implantação...

Novo Acordo de Cooperação Técnica promete impulsionar a sustentabilidade e a agricultura familiar no país

Novo Acordo de Cooperação Técnica promete impulsionar a...

Um termo de cooperação técnica assinado no mês de maio entre o Instituto Global ESG, a Ecam, a companhia americana ReSeed e o Grupo Arnone,...