Sobre gestão socioambiental

Sobre gestão socioambiental

Dentre as responsabilidades atribuídas ao Estado pela Constituição Federal de 1988, relacionadas a questão ambiental e indígena, a criação, demarcação e gestão de Unidades de Conservação e Terras Indígenas são fundamentais. Nesse sentido, o Sistema Nacional de Unidades de Conservação e a Política Nacional de Gestão Ambiental e Territorial de Terras Indígenas são as políticas que determinam a forma com a qual o Estado vai lidar com as referidas questões e os tipos de interação da sociedade nesses espaços territoriais protegidos.

Tais políticas integram um sistema de políticas públicas setoriais, isso significa que são elaboradas e implementadas em setores diferentes da agenda governamental. O resultado das ações dessas políticas compõe um cenário de 462 Terras Indígenas e 320 UCs da esfera federal. No bioma Amazônia estão as mais representativas em termos de tamanho e diversidade. Por consequência, os casos de sobreposição são mais expressivos neste bioma, 68% dos casos do Brasil.

Com o objetivo de analisar a gestão de UCs sustentáveis e TIs em situação de sobreposição no bioma Amazônia esta pesquisa qualitativa foi realizada com os aportes do estudo de caso. Neste, a TI Jiahui e a Floresta Nacional de Humaitá – que se encontram sobrepostas – são abordadas como Territórios Protegidos. A abordagem territorial é realizada com base nos conceitos de Território Usado e Territorialidade. A perspectiva socioambiental adotada tem o fito de contemplar as dimensões política e ambiental desses territórios. A problemática investigada consiste no fato de que os usos que fazem parte do sentido conservacionista desses territórios estão submetidos, no contexto da gestão pública, a políticas de setores diferentes, elaboradas em implementadas em espaços distintos, este é o cerne da problemática.

O estudo de tal questão contemplou a escala nacional, por meio da análise dos objetivos e diretrizes de tais políticas, e a escala local, pela dinâmica territorial denominada transformações territoriais. Observou-se que, em tese, as políticas são complementares e que as metodologias dos instrumentos de gestão podem dar suporte a integração que representaria a dinâmica territorial. No entanto, os mecanismos de gestão estatal, ou seja, os meios de implementação não funcionam de forma complementar, o que representa um risco para a conservação socioambiental dos Territórios Protegidos em Sobreposição na Amazônia Brasileira.

Quer ler mais sobre esse assunto? Acesse a minha monografia – http://ecam.org.br/wp-content/uploads/2018/11/2016_MuryelMoraesArantes-1.pdf

Compartilhe

Mury Arantes
Todos os posts

Muryel Arantes é geógrafa, mestre em gestão ambiental e territorial, especialista em geoprocessamento, coordenadora de projetos na Ecam, viciada em café e apaixonada em açaí.

Mapeamento cultural: o que é e qual o seu propósito
Equipe Ecam

Mapeamento cultural: o que é e qual o seu...

Entenda o que é um mapeamento cultural, sua importância para comunidades tradicionais e como é...

Continuar lendo

Compartilhe

Conheça a nossa hitória!
Equipe Ecam

Conheça a nossa hitória!

Já são quase 20 anos de Ecam. E como é bom ter você aqui com a gente fazendo parte desta...

Continuar lendo

Compartilhe

ECAM NO GEO FOR GOOD

ECAM NO GEO FOR GOOD

O Geo for Good Summit é um evento promovido pela Google Solidário que reúne, anualmente,...

Continuar lendo

Compartilhe

O que é a Agenda 2030 e quais os seus objetivos
Equipe Ecam

O que é a Agenda 2030 e quais os seus...

O que é a agenda 2030 A Agenda 2030 é um plano de ação global que reúne 17 objetivos de...

Continuar lendo

Compartilhe