Sobre gestão socioambiental

Sobre gestão socioambiental

Dentre as responsabilidades atribuídas ao Estado pela Constituição Federal de 1988, relacionadas a questão ambiental e indígena, a criação, demarcação e gestão de Unidades de Conservação e Terras Indígenas são fundamentais. Nesse sentido, o Sistema Nacional de Unidades de Conservação e a Política Nacional de Gestão Ambiental e Territorial de Terras Indígenas são as políticas que determinam a forma com a qual o Estado vai lidar com as referidas questões e os tipos de interação da sociedade nesses espaços territoriais protegidos.

Tais políticas integram um sistema de políticas públicas setoriais, isso significa que são elaboradas e implementadas em setores diferentes da agenda governamental. O resultado das ações dessas políticas compõe um cenário de 462 Terras Indígenas e 320 UCs da esfera federal. No bioma Amazônia estão as mais representativas em termos de tamanho e diversidade. Por consequência, os casos de sobreposição são mais expressivos neste bioma, 68% dos casos do Brasil.

Com o objetivo de analisar a gestão de UCs sustentáveis e TIs em situação de sobreposição no bioma Amazônia esta pesquisa qualitativa foi realizada com os aportes do estudo de caso. Neste, a TI Jiahui e a Floresta Nacional de Humaitá – que se encontram sobrepostas – são abordadas como Territórios Protegidos. A abordagem territorial é realizada com base nos conceitos de Território Usado e Territorialidade. A perspectiva socioambiental adotada tem o fito de contemplar as dimensões política e ambiental desses territórios. A problemática investigada consiste no fato de que os usos que fazem parte do sentido conservacionista desses territórios estão submetidos, no contexto da gestão pública, a políticas de setores diferentes, elaboradas em implementadas em espaços distintos, este é o cerne da problemática.

O estudo de tal questão contemplou a escala nacional, por meio da análise dos objetivos e diretrizes de tais políticas, e a escala local, pela dinâmica territorial denominada transformações territoriais. Observou-se que, em tese, as políticas são complementares e que as metodologias dos instrumentos de gestão podem dar suporte a integração que representaria a dinâmica territorial. No entanto, os mecanismos de gestão estatal, ou seja, os meios de implementação não funcionam de forma complementar, o que representa um risco para a conservação socioambiental dos Territórios Protegidos em Sobreposição na Amazônia Brasileira.

Quer ler mais sobre esse assunto? Acesse a minha monografia – http://ecam.org.br/wp-content/uploads/2018/11/2016_MuryelMoraesArantes-1.pdf

Compartilhe

Mury Arantes
Todos os posts

Muryel Arantes é geógrafa, mestre em gestão ambiental e territorial, especialista em geoprocessamento, coordenadora de projetos na Ecam, viciada em café e apaixonada em açaí.

Apoiando comunidades tradicionais na gestão de seus territórios
Equipe Ecam

Apoiando comunidades tradicionais na...

Mais de 650 mil famílias se declaram povos tradicionais no Brasil, de acordo com um levantamento...

Continuar lendo

Compartilhe

A importância do Compartilhar!
Meline Machado

A importância do Compartilhar!

Aqui na Ecam nós temos o Programa Compartilhando Mundos, que tem por objetivo principal...

Continuar lendo

Compartilhe

Vida de estagiário: só quem viveu sabe
Fernanda Costa

Vida de estagiário: só quem viveu sabe

Se tem uma coisa que eu sei é que vida de estagiário não é nada fácil. Conciliar estudos com...

Continuar lendo

Compartilhe

Você conhece a Ecam Projetos Sociais?
Equipe Ecam

Você conhece a Ecam Projetos Sociais?

Desde 2002, a Ecam trabalha com projetos de valorização dos povos da floresta e conservação...

Continuar lendo

Compartilhe