TOCANTINS: BOAS PRÁTICAS DA AGRICULTURA FAMILIAR QUILOMBOLA

TOCANTINS: BOAS PRÁTICAS DA AGRICULTURA FAMILIAR QUILOMBOLA
Foto: Raphael Rabelo

O estado do Tocantins está inserido quase que totalmente no bioma Cerrado. A vegetação do Cerrado está associada ao clima tropical continental, com uma estação chuvosa e outra seca, além de possuir árvores retorcidas, arbustos e vegetação rasteira. Atingido pela construção de Brasília e das rodovias que ligam a capital, esse bioma vem sendo degradado rapidamente por causa do crescimento da agropecuária, o cultivo de soja, eucalipto e o aumento das queimadas. Entre os impactos ambientais causados estão o aumento das emissões de gases de efeito estufa e as mudanças climáticas. 

As Comunidades Quilombolas do Tocantins são aliadas na conservação do Cerrado, vivem nele há muito tempo e contribuem para a diminuição dos impactos ambientais e das mudanças climáticas. São verdadeiras formas alternativas de organizações livres e comunitárias, que vivem principalmente da agricultura familiar e do extrativismo.  As práticas e saberes que foram herdados, vêm sendo compartilhados por anos e colaboram na conservação dos ecossistemas, através do cuidado com a biodiversidade, com a manutenção dos ciclos da natureza e com a baixa emissão de carbono. Está na forma como cuidam das águas, das sementes, do solo, como planta e criam seus animais e como se relacionam em harmonia com o meio necessário para a manutenção da vida.

Nesse sentido, citamos a seguir algumas das boas práticas, por meio da agricultura familiar quilombola, que apoiam na mitigação de mudanças climáticas:

 

  • Defesa do Cerrado

Conhecido como berço das águas, a manutenção do bioma Cerrado é necessária para o equilíbrio ambiental. As comunidades quilombolas, como um dos povos deste bioma, detêm conhecimentos tradicionais da sua biodiversidade que contribuem para a preservação. Coletando frutos nativos regionais, castanhas, óleos, além de animais para a caça consciente, até hoje os extrativismos dessas comunidades respeitam o ecossistema, possuem um conjunto de saberes que permite a conservação das águas e da biodiversidade. Assim, convivem em harmonia com o bioma utilizando os recursos naturais de forma consciente, reduzindo o desmatamento, as queimadas, preservando o ciclo hidrológico e diminuindo o uso de agrotóxicos.  

 

  • Proteção da mata ciliar

A mata ciliar é a vegetação que circunda os córregos, rios e riachos e é parte fundamental de um ecossistema. Elas mantêm a qualidade da água, a estabilidade dos solos, prevenindo erosões, além de regularizar o ciclo da água e das temperaturas. Em relação a qualidade da água, a mata ciliar diminui assoreamentos causados pela chuva e impedem que entrem poluentes na água, uma vez que as raízes das plantas deixam o solo protegido. As comunidades quilombolas conservam as matas ciliares, pois compreendem que são essenciais na biodiversidade e são barreiras naturais para pragas e doenças na agricultura. A conservação dessas áreas ameniza a sensação térmica, baixando a temperatura e absorvendo dióxido de carbono. 

 

  • Policultura

Essa prática consiste na produção de muitas culturas na mesma terra e, ao mesmo tempo, integra vários tipos de árvores, arbustos e plantas, além de criação de animais. Criar animais ao mesmo tempo que se planta, aumenta a diversificação da produção, usa-se menos terra e reduz os riscos causados pela mudança climática, pois podem sequestrar mais carbono com árvores. Além de não realizar desmatamento, possui um combate natural às pragas e doenças. A plantação não utiliza fertilizantes ou agrotóxicos e conserva o solo por meio da rotação de culturas. Assim, uma vez que o solo começa a ficar infértil, mudam para uma outra área esperando um tempo de descanso. Por isso, podemos dizer que é uma forma de agroecologia, pois protege o meio ambiente, evitando o desmatamento. As comunidades seguem em preservação do meio ambiente, da fauna e flora, mesmo utilizando a terra para plantar, sempre fizeram de forma sustentável, retirando da terra apenas o suficiente para o consumo e produção.

As comunidades quilombolas possuem distintos tipos de roças, que são caracterizadas por serem tradicionais e que há preocupação com a preservação, como:

  • Roça de Toco ou coivara

Consiste na derrubada e queima de uma pequena parte da área de vegetação, para, posteriormente, fazer o plantio nessa área por dois anos ou três. Toda a vegetação retirada na derrubada, desde árvores, folhas e frutos, é utilizada o máximo possível,  como exemplo: usar a madeira para fazer casas, lenhas, carvão, e usar a folhagem e raízes como adubo, pois utiliza-se as cinzas da queimada, a mediada que mexe na terra as cinzas mistura-se na terra. Após o período de plantação e colheita, essa área é preservada deixando a vegetação crescer novamente.

 

  • Roça de vazante ou roça de esgoto

Sua característica principal é a utilização das faixas de terra que ficam próximas aos rios, açudes, córregos e igarapés. No período chuvoso, essas áreas ficam cobertas de água e quando chega a seca é descoberta. Assim, faz-se a limpeza da área e começa a plantar, pode-se fazer covas viradas ou covas no plano. Covas viradas são para plantar, mandioca, batata-doce, cenoura e beterraba, que crescem dentro da terra. E covas no plano para plantios de curto prazo, como feijão e melancia.  

Essas são alguns tipos de roça de maior predominância em comunidades quilombolas no Tocantins, livre de agrotóxicos, utilizando o que é oferecido pela natureza para o consumo e a venda local, tudo em harmonia desde o plantio até a colheita, adubos 100% natural, retirando da terra apenas para o necessário, sem trazer impactos significativo de forma negativa. Tudo é levado em consideração: período chuvoso, período seco, lua, sol e até mesmo estrelas são fundamentais. Tudo engloba o conceito de agroecologia e uma vida sustentável, em que se recebe da natureza e devolve para ela em formas de respeito e preservação. Essas práticas citadas são saberes tradicionais passadas de geração em geração.

 

Compartilhe

Débora Gomes Lima
Todos os posts

Débora é da Comunidade Quilombola Pé do Morro, é ativista dos Movimentos Sociais, da luta antirracista, é feminista, LGBTQIA+ e estudante de Licenciatura em Química.

Sai o desmatamento, entram os benefícios na fazenda
Equipe Ecam

Sai o desmatamento, entram os benefícios...

Projeto Pecuária Sustentável muda a forma de se planejar e executar a atividade, gerando ganhos...

Continuar lendo

Compartilhe

Practicing solidarity in essence
Equipe Ecam

Practicing solidarity in essence

How Ecam Negócios Sociais managed to mitigate the effects of the pandemic on vulnerable...

Continuar lendo

Compartilhe

Full powers for sustainable development
Equipe Ecam

Full powers for sustainable development

How building dialogue between companies and the surrounding communities can bring more prosperity to...

Continuar lendo

Compartilhe

Praticando solidariedade na essência
Equipe Ecam

Praticando solidariedade na essência

Como a Ecam Negócios Sociais conseguiu amenizar os efeitos da pandemia em comunidades vulneráveis...

Continuar lendo

Compartilhe